Umidificação aquecida para profissionais de saúde tratando pacientes com COVID-19

RECURSOS E INFORMAÇÕES DA COVID-19

Última atualização: 21 May 2020, 9:47AM (NZDT)

A umidificação aquecida com os circuitos Evaqua™ 2 da F&P circuits promove um sistema fechado. Um sistema fechado reduz o risco de aerossolizar partículas infectadas no ambiente hospitalar e isso ajuda a reduzir o risco para os profissionais de saúde.

 

Resumo

  • Todos os pacientes com COVID-19 que necessitam de suporte respiratório têm uma carga viral elevada, o que aumenta o risco de infecção para os profissionais de saúde. Isso é especialmente preocupante no caso de procedimentos/terapias que geram aerossol ou gotículas. A abertura do circuito respiratório em pacientes de COVID-19 com ventilação invasiva aumenta o risco de aerossolizar partículas infectadas no ambiente hospitalar e isso representa um risco para os profisionais de saúde. Portanto, devem ser usadas as estratégias apropriadas de controle de infecção. Na comparação com a umidificação passiva com um trocador de calor e umidade (HME), o uso do umidificador aquecido reduz o número de desconexões do circuito necessárias, reduzindo assim o risco de geração de aerossóis.
     
  • A umidificação aquecida gera vapor de água em um sistema fechado. Ela não gera gotículas em aerossol. O vapor de água não transporta o COVID-19 ou outras partículas virais ou bacterianas.
     
  • Os circuitos respiratórios projetados para reduzir significativamente a condensação (por exemplo, circuitos Evaqua 2 da F&P) reduzem a necessidade de desconexão do circuito em comparação com os circuitos aquecidos convencionais. Isso também reduz o risco de transmissão do COVID-19 para o meio ambiente e para os profissionais da saúde.
     
  • Os circuitos respiratórios que também podem ser usados para ventilação não invasiva (VNI) e alto fluxo nasal (NHF) (após a extubação dos pacientes com COVID-19) simplificam os requisitos do equipamento e reduzem o risco de infecção pelo manuseio de vários circuitos. Isso também economiza materiais de consumo valiosos.
     
  • Os pacientes com COVID-19 utilizando ventilador requerem estratégias de ventilação de proteção pulmonar, incluindo a redução máxima do espaço morto instrumental. Ao invés dos HMEs, a umidificação aquecida é recomendada porque a literatura clínica mostra que o uso da umidificação aquecida pode melhorar a ventilação de proteção pulmonar:
    • Reduzindo PaCO2 
    • Reduzindo a pressão de platô
    • Reduzindo volumes correntes
    • Aumentando a ventilação alveolar
       
  • Os pacientes com COVID-19 que estão com doença respiratória grave precisam de altos níveis de umidade para ajudar no controle da secreção, promover ventilação e troca de gases eficientes e preservar a função mucociliar ideal.

A umidificação aquecida produz vapor de água que não representa risco de infecção para os profissionais da saúde

 

1.    A umidificação aquecida reduz a necessidade de desconexões no circuito, o que reduz o risco de infecção por contaminação cruzada e promove um sistema fechado

O uso de umidificação aquecida reduz a necessidade para desconexão dos circuitos. Cada desconexão do circuito aumenta o risco de contaminação ou infecção cruzada para os profissionais de saúde que tratam pacientes com COVID-19.

  • A umidificação aquecida melhora o clearance de secreção e reduz a viscosidade das secreções em comparação com a umidificação passiva. Isso diminui o número de vezes que o circuito respiratório necessite ser desconectado para higienização de secreções espessas.
  • Os HMEs com filtros podem precisar ser trocados com frequência devido a secreções espessas e filtros úmidos (o que reduz a eficiência da filtragem). Isso requer que o circuito seja desconectado. 
  • Os circuitos de umidificação aquecidos que permitem a difusão do vapor/umidade da água através do material (circuitos Evaqua 2 da F&P) foram testados para garantir que patógenos virais e bacterianos não possam se difundir ou penetrar através do material – somente o vapor d'água pode.
  • As desconexões de circuito são inevitáveis com umidificação ativa ou passiva. A umidificação ativa pode permitir que os profissionais da saúde reduzam a quantidade de desconexões de circuito, promovendo um sistema fechado e diminuindo o risco de contaminação cruzada.


2.    A umidificação aquecida gera vapor de água (não aerossóis) que não pode transportar vírus ou bactérias

Umidificadores aquecidos representam uma forma ativa de umidificação, que aquece o gás respiratório no interior da câmara de umidificação e fornece partículas de vapor de água para o paciente1-2. O processo de vaporização gera uma distribuição molecular da água no ar. Devido à natureza molecular da distribuição da água e ao tamanho das moléculas de vapor de água (~ 0,0001 mícrons), as partículas de vapor de água são muito pequenas para transportar bactérias ou vírus3. Gotículas de água em aerossol podem transportar esses patógenos e são a razão pela qual as diretrizes clínicas do COVID-19 recomendam estratégias de controle de infecção para procedimentos de geração de aerossóis, como intubação, nebulização e broncoscopia. A umidificação aquecida para ventilação invasiva não é um procedimento de aerossol e, como tal, não é incluída como um procedimento de geração de aerossol para pacientes com ventilação invasiva nas diretrizes do COVID-194.
 

Water vapor molecules can not transport pathogens, which may cause infection, due to their respective size difference

 

3.    Os circuitos Evaqua 2 da F&P reduzem significativamente a condensação em comparação com os circuitos aquecidos convencionais para umidificadores. As desconexões de circuitos podem ser reduzidas, o risco de transmissão diminuído e um sistema fechado promovido

Circuitos com tecnologia mais moderna podem reduzir significativamente a condensação porque o material permite que o vapor de água se difunda através da parede do circuito. O material nos circuitos Evaqua 2 da F&P foi projetado e testado para garantir que vírus e bactérias não possam se difundir ou penetrar através do material, permitindo apenas a passagem do vapor de água. Os circuitos Evaqua 2 da F&P possuem material isolante no ramo inspiratório para impedir que o gás resfrie e se condense no circuito. O isolamento inspiratório e a difusão expiratória do vapor de água causam significativamente menos condensação em comparação com os circuitos umidificadores aquecidos convencionais e reduzem a necessidade de interromper o circuito para eliminar a condensação.



4.    Os profissionais de saúde podem usar o mesmo circuito respiratório invasivo para VNI e NHF em pacientes extubados, reduzindo a quantidade de resíduos contaminados a serem manipulados

O uso de umidificação aquecida permite o uso de um único circuito respiratório invasivo, não invasivo e NHF. A reutilização em diferentes aplicações simplifica a necessidade de equipamentos e economiza o número de circuitos utilizados por paciente. Por exemplo, a VNI de ramo duplo pode ser realizada usando o mesmo circuito, ou o ramo expiratório pode ser destacado para deixar o ramo inspiratório para VNI e NHF de ramo único.

Benefícios da umidificação aquecida para pacientes com COVID-19 usando ventilador

 

5.    Os pacientes com COVID-19 que estão com doença respiratória grave precisam de altos níveis de umidade para ajudar no controle da secreção, promover ventilação e troca de gases eficientes e garantir a função mucociliar ideal.

As vias aéreas superiores naturalmente aquecem e umidificam o ar inalado a 37 °C e 100% de umidade relativa (umidade absoluta de 44 mg/L)5-7. Ventilar o paciente invasivamente com níveis mais baixos de calor e umidade demonstrou ter os seguintes efeitos adversos:

  • Disfunção do sistema de transporte mucociliar5,7
  • Ressecamento das vias respiratórias8
  • Obstrução do tubo endotraqueal9-11
  • Secreções espessas e difíceis de aspirar12
  • Maiores taxas de pneumonia associada a ventilação (PAV)13

Umidificadores aquecidos têm como objetivo proporcionar níveis ideais de calor e umidade para os pacientes (37 °C, 44 mg/L). Os HMEs atingem um nível máximo de umidade de 32–33 mg/L e muitos HMEs produzem menos de 30 mg/L14. O uso do HME fornece aos pacientes níveis de umidade significativamente mais baixos do que um umidificador aquecido, e estudos demonstram que fornecer apenas 10% menos de umidade por 15 minutos pode afetar significativamente a função mucociliar7

 

6.    A umidificação aquecida proporciona umidificação sem aumentar o espaço morto instrumental, um requisito essencial para uma ventilação protetora pulmonar eficaz

Os pacientes com COVID-19 necessitam estratégias de ventilação protetora pulmonar. Quando comparada aos HMEs, a umidificação aquecida pode permitir que os pacientes sejam ventilados com volume corrente diminuindo (VT), reduzindo a pressão parcial de dióxido de carbono (PaCO2) e as pressões de platô (Pplat), resultando em aumento da ventilação alveolar e troca gasosa. Esses pacientes requerem umidificação sem adição de espaço morto instrumental; somente a umidificação aquecida pode fornecer isso.

A ventilação protetora pulmonar é uma combinação de configurações de ventilação e procedimentos associados que podem afetar diretamente a mortalidade15-19. Um aspecto fundamental da ventilação protetora pulmonar é minimizar o espaço morto instrumental, que pode afetar substancialmente o trabalho respiratório, trocas gasosas e ventilação alveolar16, 20-25. Várias diretrizes clínicas recomendam a ventilação protetora pulmonar para pacientes de COVID-19 com ventilação invasiva ou aqueles que atendem aos critérios para SDRA4, 26

  • O uso de um umidificador aquecido não adiciona nenhum espaço morto instrumental, enquanto um HME pode adicionar até 100 mL de espaço morto. Vários estudos demonstraram que a redução do espaço morto usando um umidificador aquecido pode afetar significativamente as trocas gasosas, juntamente com uma diminuição na PaCO2, que é proporcional à redução no espaço morto21-25. Prat e cols.23 demonstraram que o uso de um umidificador aquecido em comparação com um HME resultou em diminuição de PaCO2 (80 to 63 mmHg), sem alterar as outras configurações.
  • Moran e cols.22 demonstraram que o uso de um umidificador aquecido em comparação com um HME resultou na capacidade de diminuir o volume corrente (VT) em 81 mL, pressão de pico (Ppeak) em 7 cmH2O e pressão de platô (Pplat) em 4 cmH2O.


7.    A umidificação aquecida pode permitir o desmame mais eficaz em pacientes com dificuldade de desmame em comparação com HMEs

Os pacientes com COVID-19 provavelmente terão dificuldades de deixar a ventilação mecânica devido à natureza da doença e ao provável desenvolvimento da síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA). A umidificação aquecida reduz o espaço morto e a resistência ao fluxo, produzindo um desmame otimizado quando comparado com os HMEs 20.

Girault e cols.20 compararam o uso de HMEs e umidificação aquecida em pacientes com dificuldade de desmame. Eles descobriram que o uso de HMEs exigia um aumento de 8 cmH2O na pressão suporte no grupo HME em comparação com o grupo de umidificação aquecida. O estudo recomendou não usar HMEs neste grupo de pacientes.